Você enxerga a menina no rock?

meninas no rock

A menina no Rock é foda, não por ser especial com relação aos meninos e sim por insistir em consumir um produto que na maioria das vezes, não é feito pra ela.

 

A menina no Rock poderá receber flores, até parabenizações no Dia Internacional da Mulher, mas se nos outros dias ela não receber sequer respeito, como fica?

Esse texto tem como iniciativa falar sobre dificuldades que ainda existem com relação a participação feminina no Rock baseado nas minhas próprias experiências e vivencias. E será que é apenas porque quero falar mal? Não! É porque quero mais meninas no rock, é porque quero que as que estão lá se sintam bem.

Escuto Rock desde o fim da infância e não foram raras as vezes que tive que ouvir letras que não dialogavam comigo, além disso frequento assiduamente festivais de música independentes. Por lá, um número reduzido de meninas em cena e as poucas que vão, são alvo de um costume comum nesses ambientes, o flerte.

Não me levem a mal, flertar não é dos piores males, mas ainda assim resulta num monte de menina sem graça pela forma como caras se direcionam a elas. Eu mesma já tive que desviar de cara tentando me beijar ou de outras investidas de gente que achou que eu estava “dando mole” porque fui simpática. No-jo.

No rock você não encontra a banalização do funk, nem o abuso romantizado do sertanejo, mas também existem limites quanto ao conceito de igualdade, pena que muitas vezes quase ninguém percebe. Hello?!

 

 Letras de Rock para o publico masculino e por que elas existem?

 

A banda lá na frente tá mandando vê numa letra sobre um cara que quer transar com a namorada e ela não quer, na letra ele deixa claro que o sexo vai rolar. Bem, porque eu preciso ouvir essa música que ensina que a decisão sobre o sexo não é da mulher. E daí se na letra eles são namorados, ela disse NÃO e se ele for em frente é estupro, mas a letra se esforça para tornar estupro algo engraçado.

Acha que é fictício? Queria eu que fosse, um exemplo mais explicito ainda é existir uma música chamada “Estupro com carinho” de uma banda um tanto conhecida no meio nacional. Estupro não é engraçado! Estupro é violência!

As canções machistas existem aos montes e pelo que sinto e penso a respeito, desenvolvi uma certeza e uma suspeita. São elas:

 

Como certeza: o machismo.

Essa construção cultural que distribui papéis onde meninos precisam agir de certa maneira para serem vistos como meninos e faz o mesmo com meninas. Na cabeça do homem toda mulher precisa fornecer uma forma de satisfação a ele, seja a namorada/esposa o-seduzindo, a filha fornecendo leveza e alegria, a mãe o-protegendo. O homem lida com a indiferença de outro homem, mas tem sérias dificuldades em lidar com a indiferença de uma mulher e isso reflete até em letras de música.

Como suspeita: o compositor escrever sobre si mesmo ou para quem ele foi um dia.

Pode ser que o compositor roqueiro esteja criando historias pensando na sua versão adolescente porque nessa época ele se sentia incompreendido, sozinho e tenha se perdido em muitas friendzones. Hoje com certa voz ele pode estar se vingando de tudo o que o-incomodou tratando como uma especie de “superação”. Que pena se for isso!

É possível que o Rock não seja machista?

 

Bem, a menina no Rock em mim ouviu muito Legião Urbana e não sei como, mas sempre senti que o Renato Russo escrevia suas canções pra mim (sério que não eram pra mim? Rsrs).

Até quando vinham histórias protagonizadas por homens como João de Santo Cristo, João Roberto ou o Dado, ainda assim dialogavam comigo, seja me levando para uma realidade dura como em Faroeste Caboclo, seja mostrando que alguém pode perder interesse pela vida como na música Dezesseis, ou me trazendo um relato sobre o abuso de drogas como em Dado Viciado. Logo, é fácil concluir que Legião Urbana tratou de temas que contemplam interesses de todos nós.

Certo que ninguém é um ‘Renato Russo’ rs, mas é  possível fazer conteúdo sem usar o machismo. Possível falar de histórias sobre meninos sem fazer propaganda do abuso contra a mulher e há muitas bandas que podem exemplificar isso. Além do Legião, tem o Pearl Jam (na verdade o PJ tem um posicionamento claríssimo <3 ) e muitas bandas de punk que retratam de forma digna a mulher em suas letras.

Na música e fora dela nós todos somos seres humanos.

 

O que é enxergar a menina no Rock?

 

Enxergar a menina no Rock é valorizar a presença feminina na Cena, não como alvo de flerte e sim como um individuo que tem os mesmos direitos que um menino tem/teria, é não fazer piadas machistas tornando o ambiente desconfortável para ela, é incentivar sua participação nos diálogos porque a opinião dela interessa, é ver a banda dela tocar não porque ela é bonita e sim porque o som dela pode ser muito bom. É agir com respeito!

Talvez existir poucas meninas em bandas seja pelo fato da cena estar fechada para elas. Ainda assim elas existem e você pode conferir por si mesmo a resistência da menina no Rock ouvindo bandas como Bulimia, Dominatrix, Anti-corpos, Menstruação Anarquika, Bikini Kill, Hole, The Julie Ruin, The Gits e muitas outras bandas compostas por meninas. o/

 

O Rock tem como essência a subversão e não tem nada mais conservador do que a inferiorização da mulher. O Velho Testamento tá aí como exemplo.

 

Por fim, um agradecimento ao coletivo Zona Imaginária Ceará. A imagem que ilustra o texto é de autoria deles. Acompanhem a fampage para ver a lente humana e artística do trabalhos desse coletivo fotográfico.


O que você achou do texto? Deixe sua opinião nos coments. Querendo indicar uma banda feminina para gente ouvir, também ia ser massa! =)

 

 


Publicidade

Dê um clique na publicidade acima ou não utilize o adblock no site da rpa.

Garota do Rock, estudante de Administração e uma bairrista apaixonada pelo seu Bom Jardim das artes. Uma riot girl com horror a rótulos, conforme demostra desde 2013 no blog Feriados de Mim. Escreve para explorar questões humanas e para não desaparecer.

Publicidade

Dê um clique na publicidade acima ou não utilize o adblock no site da rpa.


Rodapé